PROJETO
LIBERDADE AINDA QUE TARDIA
Povo sem memória é povo dominado
 
OBJETIVO GERAL

Resgatar memórias de lutas pela LIBERDADE, DIREITOS CIVIS E CIDADANIA utilizando artes plásticas, cênicas, seminários, debates. fóruns e documentação sobre Movimentos Nativistas, Emancipacionistas. Guerras indígenas. Revoltas. Conjuração. Revolução. Conspiração. Confederação. Levante. Resistências. Guerrilhas. Motins com ênfase nas Inconfidências Mineiras.
OBJETIVO ESPECÍFICO
. Difundir o conceito de LIBERDADE como a busca permanente de CIDADANIA E DIREITOE CIVIS PLENOS.
. Iniciar a recuperação das Memórias de Inconfidências e Conjurações no Brasil com ênfase na primeira etapa das Inconfidências e Conjurações em Minas Gerais .
. Doar o acervo dos Painéis da Exposição 2010 LIBERDADE AINDA QUE TARDIA a entidades de ensino, museus, órgãos públicos e artístico-cultural.
. Construir o Portal LIBERDADE AINDA QUE TARDIA como instrumento de interação permanente sobre CIDADANIA E DIREITOS CIVIS PLENOS.

1. JUSTIFICATIVA CULTURAL E ARTÍSTICA DO PROJETO

Povo sem memória é povo dominado. Os movimentos independentias ou libertários permaneceram longo tempo em uma memória compartimentada e maniqueísta, de um lado os bons (governo) de outro lado os maus (libertários) com exceção das guerras mundiais, confessionais , etc com seus arsenais de mídia pipocando meias verdades, verdades contraditórias e outras guerras paralelas.Um espaço especial será dedicado aos motins como única forma de rebeldia possível para grupos étnicos discriminados històricamente como indolentes ou despojados da noção cívica de suas ancestralidades.


A busca pelos direitos civis e de cidadania plena não passa ,necessáriamente, pela luta armada.Várias Associações Civis brasileiras, argentinas, chilenas foram construídas para registrar, reivindicar e tornar público as arbitrariedades cometidas nos anos de chumbo dos respectivos países. Unidades de polícia sociais no Brasil vem abrindo gradualmente para a sociedade civil os arquivos de repressão desse período. A publicação do livro Direito à Memória e à Verdade pela Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República revela o interesse do país em resgatar a consciência cívica para torturas nunca mais.

As artes plásticas não estão insensíveis ao registro de denúncias da nova ideologia terrorista onde tudo é justificável e passivamente aceito - até a tortura. O pintor colombiano FERNANDO BOTERO, abandonando seu estilo consagrado de figuras rotundas, dedica-se ao tema realista das denúncias de torturas nesta nova guerra terrorista.

No setor editorial, observa-se, a emergência de publicações de memórias de líderes libertários brasileiros: Giuseppe Garibaldi, Anita Garibaldi, Bárbara de Alencar, Antonio Conselheiro, Teófilo Otoni e outros mais, Resgatá-los em painéis memórias e palestras é restituir às gerações passadas e presentes seu direito à memória de cidadania libertária. Nas artes cênicas surgem filmes e peças de teatro com ênfase no resgate histórico de CIDADANIA E DIREITOS CIVIS onde se constata no público a presença massiva de jovens , sedentos em conhecer , absorver e discutir memórias libertárias até então desconhecidas. É bom lembrar, também, que no ano 2009 o Código de Direitos Humanos completou 60 anos.

Resgatar a memória dos movimentos independentistas em uma Exposição é resgatar, também, a consciência permanente de cidadania e direitos cívicos em toda a sociedade para gerações passadas, presentes e futuras. Outro aspecto a ser ressaltado é a ampliação da consciência nacional dos diferentes movimentos libertários no Brasil que permanecem confinados regionalmente.

Pelos motivos assinalados, acreditamos que o momento é oportuno para a realização da EXPOSIÇÂO LIBERDADE AINDA QUE TARDIA I no ano de 2010.


BREVE
 
Ofélia Torres e Artistas convidados
 
 
TEXTOS
ISIDORO, o MÁRTIR ... -1809 (*)
CHICO REI Século XVIII
 
Apresentação
Poetas Visuais
Circuito Histórico
Esculturas - Instalações
Composições
Paisagens
Muna
Liberdade